Deixe que caiam uma a uma
As folhas secas da tua paisagem
Mais uma vez se faz inverno
E dentro de ti também há folhagem.

Se o Sol se esconde, pobre de ti,
Buscai-o invicto
Teus galhos nus apontando para o céu
Sedentos de nova vida, contrito.

Se tuas raízes resistem profundas
Ao frio, ao escuro e à seca
Talvez seja bom presságio
De uma Primavera mais plena.

Se pelos ciclos a vida transita
Observa e compreende o que te tornas
Contempla que nasces e morres a todo instante
Elege ser o que está acima das formas.

Consagra teu destino
Faz flamejante teu coração
Além das estações és discípulo
E teu nome aceitação.

Flávia Fernandes
Sede Nacional

Este poema ficou em terceiro lugar no Concurso de Poesia dos Jogos da Primavera de 2010. Acompanhem abaixo a demais ganhadores.

Anúncios