1º lugar

Mar de Sonhos

Entre meus dedos escapam os Sonhos,
Cenas aladas de um tempo já vivido.
Cenas turvas à deriva
De ondas fortes e um vento ávido.

É tesouro escondido esse Sonho.
Em baú imenso,
Mas de essência acordada.
Sob mar insano,
Em nau há tempos ancorada.

Encontrá-lo é meu desejo.
Passo meus dedos por mil mapas,
Tecidos com as cordas castas
De meu peito em arpejo.

Aos sete mares clamam alto
Os meus lábios:
– Onde estás, Sonho, que da vida é arauto?
Se entre estrelas,
Serão minhas fibras os astrolábios!

Se entre marés
Serei leme, vela e convés
A buscar-te oceano a fundo
Enfrentar o mundo, leviatã, fúria e revés.

Mas se estiveres na profundeza
de meu próprio Ser, calo o meu apelo.
Pouco vale minha destreza…
Inútil é procurar,
Para encontrar basta vivê-lo.

Recordo que entre meus dedos tão aflitos,
Os Sonhos escapavam.
Mas ao deter os monstros que avançavam,
Começaram minhas mãos a esculpi-los.

Avisto em mim, a calmaria.
Se acalmam os lemes, o timão e as velas.
Eis que os Sonhos viverão enfim
Se de meu coração faço olaria
Concha nobre a moldar pérolas.

Mariana Lopes Bezerra de Melo
Filial Goiânia – Universitário

2º Lugar

Sonhos Raros

Tu me indagaste sobre os meus sonhos.
Estes, que de tão preciosos, nunca os exponho.
Fugidios, etéreos, demasiado puros para perceberes.

E me propuseste compartilhar de meus sonhos.
Dos doces, dos gloriosos, dos inefáveis e risonhos
Mas como podes tocá-los sem antes te ascenderes?

Prepara-te. Para alçares vôo em meu mundo sutil e estranho,
Farás de tua alma nascer níveas asas de imenso tamanho.
E de pé, perante o abismal infinito, do mais alto deverás te arremeter.

E quando pisares em meu campo de sonhos, perguntarás, suponho:
Dentre todos, quais os mais caros? Felizmente, estes não são tão raros…
Encontram-se no coração de todos os seres.

Alice Amaral e Souza
Filial Goiânia – Jardim América


3º lugar


Tocando um sonho

Em meio a um sono sem sonhos, remexi-me, ansiando acordar.
Mas despertar de onde? Para qual lugar?
Difícil saber diferenciar!
Foi então que ouvi, ao longe, um clarim
a soar…dentro ou fora de mim?

De início, confundi meu sonho com a gritante loucura.
No superficial… como encontrar a cura?
Foi da bela partitura dos sonhos, que a harmonia
soou a estatura que posso alcançar, um dia.

Imatura, pensei ser dos sonhos a autora….
Seria eu solitária e limitada cantora?
Não via quão grande é o Concerto sonhado,
pois não tocam sós nem os Iniciados!

Em meio a um sonho sem sono, me vi como um ser em expansão…
Como saber interpretar a correta canção?
A tonicidade da União garante a felicidade ao Ser Interior.
E acordar… Escuta só!… é qual dançar
na marcação do Maior Compositor.

Júlia Camarotti Rodrigues
Brasília – Sede Nacional


Composição do Juri:

André Freitas – Sede Nacional
Juliana Limeira – Sede Nacional
Leonora Alves – Goiânia
Marcela Paes – Anápolis
Marluce Claudia – Guará

Anúncios