Em homenagem às ultimas semanas, nas quais o Brasil foi palco das Olimpíadas 2016, o Acrópole Poética resgata um pouco do espírito olímpico através deste tesouro poético recém descoberto: um poema de Machado de Assis, escrito aos 17 anos, a exaltar o heroísmo do Brasil – nas entrelinhas da história do País, o Autor vai da Antiga Roma até o famoso Grito do Ipiranga, revelando grandeza e coragem nas entrelinhas do Povo brasileiro.

 

O Grito do Ipiranga

 

Liberdade!… Farol divinizado! –

Sob o teu brilho a humanidade e os séculos

Caminham ao porvir. Roma as algemas

Quebrou dos filhos que a opressão lançara

Dentre a sombra de púrpura dos Césares,

Que envolvia Tarquínio em fogo e sangue,

Cheia de tua luz e estimulada

Por teu nome divino – essa palavra

Imensa como as vozes do Oceano.

Sublime como a ideia do infinito!

Tal como Roma a terra americana,

Um dia alevantando ao sol dos trópicos

A fronte que domina os estandartes,

Saudou teu nome majestoso e belo –

E o brado imenso – Independência ou morte! –

Soltado lá das margens do Ipiranga.

Foi nos campos soar da eternidade.

Desenrola nas turbas populares

Dos livres a bandeira o herói tão nobre,

Digno dos louros festivais que outrora

Roma dava aos heróis entre os aplausos

Do povo que os levava ao Capitólio!

Ele foi como o César de Marengo;

Sua voz como a lava do Vesúvio

Levada pela voz da imensidade

Foi do Tejo soar nas margens, onde

Estremeceu de susto o lusitano!

Ipiranga!… Ipiranga!… A voz das brisas

Este nome repete nas florestas!

Caminhante! Eis ali onde primeiro

Soou o brado – Independência ou morte! –

O homem secular levando as águias

Por entre os turbilhões de pó, de fumo,

Ostentando nos livres estandartes

O lúcido farol de um século ovante,

Mais sublime não foi nem mais valente

Que Pedro o herói, da América travando

Do farol da sagrada liberdade,

E acordando o Brasil, escravizado,

Sob férreos grilhões adormecido.

Somos livres! – Nas paginas da história

Nosso nome fulgura – ali traçado

Foi por Deus, que do herói guiando o braço,

Nas folhas o escreveu do eterno livro.

Somos livres! – No peito brasileiro

A ideia da opressão não se acalenta!

Somos já livres como a voz do oceano,

Somos grandes também como o infinito,

Como o nome de Pedro e dos Andradas!

Seja bendito o dia em que Colombo

César dos mares, afrontando as ondas,

À Europa revelou um Novo Mundo;

Ele nos trouxe o cetro das conquistas

Nas mãos de Pedro – o fundador do Império!

O herói calcando os pedestais da história,

Ergue soberbo aos séculos vindouros

A fronte majestosa! Imenso vulto!

É ele o sol da terra brasileira!

Neste dia de esplêndidas lembranças

No peito brasileiro se reflete

O nome dele – como um sol ardente

Brilha dourado no cristal dos prismas!

Tomando o sabre, dominou dois mundos

O herói libertador, valente e ousado!

Ele, o tronco da nossa liberdade,

Foi como o cedro secular do Líbano,

Que resiste ao tufão e às tempestades!

Ipiranga! Inda o vento das florestas

Que as noites tropicais respiram frescas

Parecem murmurar nos seus soluços

O brado imenso – Independência ou morte!

Qual o trovão nos ecos do infinito!

Disse ao guerreiro o Deus da Liberdade:

Liberta o teu Brasil num brado augusto,

E o herói valente libertou num grito!

Anúncios