apolo

 

A Apolo

Pressinto em mim o emergir de Delos,
sagrada ilha flutuante
a quem nenhuma corrente
logrou reter, em seus elos…

Poseidon, do Oceano Profundo,
Soberano das águas do mundo,
permitiu que ela em mim aflorasse,
concedeu-a como fosse um dom.

Minha Alma, Delos, veio à tona…
Coração por trás do coração,
vibração que ao terrestre impulsiona,
e que o Deus, em mim, leva à ação.

As dores de Leto, à palmeira enlaçada,
são sinais da Luz que aspira a nascer…
Em Delos, o Deus anuncia a chegada,
das dores mais árduas, o parto do Ser…

Mas eis que Hera sempre exige a espera:
pois o protocolo da Deusa,
severa mãe de todo Herói,
mil provas enumera antes do fim…
Pequenas provas ante o herói do mito,
mas quase um infinito para mim…

Enquanto o nascimento não se opera,
sonho com a luz do Hiperbóreo, que virá,
sonho com o Templo que Ele erguerá,
tornando Delos terra nobre e sagrada,
ponto central de todas energias,
ponto final de todas caminhadas.

A Serpente que me ronda, incansável,
Grandiosa Píton, será submetida…
Ante a Luz, de fugaz, será estável,
E os seus vapores serão
para sempre, desde então,
fonte de inspiração em minha vida.

E quando o Deus se afastar,
navegando nos céus, a migrar
às distantes terras frias,
ao Seu lado, de um outro calor vou provar.
E quando Ele voltar, em seu Cisne Solar,
cálida, a Alma emprestará calor ao Dia…

E dançarei com as Musas no Helicon,
e a voz do Deus desdobrar-se-à em sons,
numa espiral de harmonia, rumo as céus,
E, em Castália, baixarei meus véus
e aplacarei a sede da minha alma
ouvindo as vibrações da Voz do Deus.

Tudo isso serei eu, quando, cumpridos
todos os justos desígnios de Hera,
tiver findado a dolorosa espera…
Vencido o algoz, as trevas da ilusão,
concluído o rito em Delos-coração,
virá à luz, em mim, o amado Deus…

E, como proclamado desde as eras,
o tempo explodirá em primaveras…

Profª: Lucia Helena Galvão

Foto: Leandro Moraes

Anúncios